Bom Começo

Blog Bom ComeçoEste ano começou bem profissionalmente. Como sempre acontece em um novo trabalho, reencontramos parceiros, amigos e conhecemos novas pessoas. Eu estou muito feliz por estar entre as pessoas que estão na realização de mais um filme, “O Rastro”. Reencontrei pessoas das quais gosto muito, voltei para trabalhar no Rio de Janeiro, uma cidade que me deixa com a alma muito ensolarada, (apesar de toda chuva que está caindo por aqui), e conheci pessoas muito “do bem”. Fico feliz quando encontro artistas que falam a mesma língua que a minha, no que diz respeito aos caminhos que desejamos trilhar para conquistarmos nossos sonhos à cada novo desafio. Depois vou falar mais sobre estas novas experiências e encontros desta jornada, mas por enquanto só quero agradecer por estar entre estas pessoas queridas e talentosas, onde a troca entre todos têm sido muito especiais e leves. É muito bom começarmos um filme com esta sensação de que estamos no caminho certo. Nunca sabemos qual será o resultado para o público e de público quando criamos e concretizamos um projeto, mas este é um dos grandes mistérios e expectativas que carregamos quando trabalhamos em qualquer tipo de arte. Muitas vezes não sabemos racionalmente o porque de querermos contar uma estória sobre este ou aquele assunto, mas uma força vai nos guiando, nos inspirando para continuarmos e não desistirmos diante das dificuldades, que não são poucas, acreditem. Um roteiro de cinema para virar um filme, quase sempre demora muitos anos e acredito que só uma paixão muito forte é que não nos deixa desistir. Qual será a aceitação do público? Nunca sabemos, mas não importa, porque sempre fazemos por ele e para ele. Milton Nascimento, nosso poeta,  já nos disse em uma das suas canções, “Todo Artista Tem De Ir Aonde O Povo Está” e quando acontece este encontro, “artista e povo”, não há presente, alimento e satisfação maior para a alma de cada um de nós.

O Mais do Mesmo

Pictures blogFico impressionada como a mídia está cada vez mais fútil. TODAS as notícias que têm alguma mulher envolvida, sobre o Carnaval ou não, antes “do fato a ser contado”, vem sempre um adjetivo sobre o físico da mesma. “Fulana está sarada, Outra está com a barriga trincada, Outra está com o corpo escultural, Outra tem cinquenta anos MAS está com tudo encima”, e por aí vai. Acha UMA POBREZA ENORME estes comentários, como se cada uma delas só pudesse ser alguém porque tem o físico de acordo com os padrões dos jornalistas, que na maioria das vezes são homens.  Mas não os culpo por estes adendos em suas notícias, porque as mulheres também querem ser julgadas pelos seus corpos, daí a exposição exagerada dos “seus selfies” à qualquer hora em qualquer lugar. Depois, quando vêm os comentários e atitudes machistas, como podemos reclamar? Tem até aquele ditado popular que diz “quem está na chuva é para se molhar”. Como podemos nos defender de atitudes machistas se têm mulheres que ADORAM ser objetos à mostra e que buscam a suas valorizações e sucesso através dos seus corpos?  Acho tudo uma tristeza. Eu cuido muito do meu corpo e também adoro me sentir bonita, mas daí a achar que meu corpo substituirá meu cérebro, tem uma longa distância. Boa sorte à todos que acham que “seus silicones, barrigas negativas, bundas na nuca, corpos sarados com tudo encima”, durarão para sempre e de que nunca envelhecerão. Quando toda esta vaidade passar com o tempo, que chega para todos nós, querendo ou não), sobre alguma coisa nas suas cabeças, para continuarem suas vidas além dos “músculos e pesinhos”, valorizando suas qualidades interiores, que são as que realmente ficarão os acompanhando todos os dias, até a “viagem” para a próxima.